segunda-feira, 23 de março de 2009

Rendendo-me...

É, não dá mais.
Com a Marvel, parei faz tempo. Nem lembro quando foi a última vez que comprei uma revista da Panini. Não aguento mais nem folhear aquelas porcarias quando vejo na banca. É triste, já que eu era um dos muitos colecionadores assíduos. Sempre mantive a esperança de que as coisas fossem melhorar, desde o fim da Saga do Clone. Mas sempre foi de mal a pior. Então, chega uma hora que cansa. Roteiros, desenhos... tudo... tá tudo uma merda.
Mas beleza, se para com uma, começa com outra, certo? Parecia que a Pixel Magazine tinha vindo pra ficar. Ótimas histórias, que há muito faziam falta em terras brasileiras. Mas aí, depois de muitas reviravoltas, a revista pára de ser publicada, juntamente com a sua "irmã", a Pixel Fábulas, que a muito custo chegou ao quarto número.
Ah, desculpem, mas haja paciência de ficar esperando a continuação das histórias desse jeito. O negócio é se render aos scans... por mais que eu deteste ler no computador.
E pra falar a verdade, é muito melhor pegar arcos completos e ler de uma vez só do que ficar lendo picado, mês a mês... olha, juro que eu compro os encadernados quando saírem... porque tem coisa muito FODA saindo lá fora!
O primeiro foi The Walking Dead (Os Mortos-Vivos, aqui no Brasil). A defasagem de um encadernado pro outro que a HQM lançou não é brincadeira. Mas tudo bem, eu ainda estava com paciência. Vamos esperar... vamos fazer do jeito certo, não é? Ah, quer saber? Vamo que vamo... e digo pra vocês, não me arrependi.
Eu já tinha curtido a série desde o primeiro arco. A HQM lançou os três e, sim, eles estão guardados aqui em casa e vou comprar o quarto, se um dia eles lançarem. A série é muito boa, fica melhor a cada arco. Esqueça as histórias convencionais de zumbis. O Kirkman fala, na introdução do primeiro arco, que sempre ficava frustrado quando via esse tipo de filme e eles acabam justo quando as coisas começavam a ficar interessantes. Então, ele quis fazer um filme de zumbi que nunca acabasse. Mas não no estilo trash da coisa. A idéia aqui é pegar a situação e mostrar como ela muda os personagens, como os seres humanos se portam diante de uma tragédia onde ninguém realmente entende o que está acontecendo. O que acontece quando se tira o conforto da civilização e as pessoas mostram suas verdadeiras faces. Kirkman adverte que você não reconhecerá o protagonista, Rick, depois de tudo o que acontecerá com ele. Ele não estava mentindo. Lá pela edição 50 já aconteceu tanta coisa, o cara já passou por tanta merda, que está simplesmente irreconhecível. Eu ainda vou fazer um post só sobre essa série.
Outra que eu finalmente li recentemente foi Y - The Last Man. Muito boa, embora eu tenha gostado mais das piadas do que da história em si... hehehe. O que não significa que seja ruim, pelo contrário... mas eu sou mais do tipo de história com aquele ritmo frenético, que você não quer mais parar de ler, tipo Preacher ou mesmo Os Mortos-Vivos, onde cada capítulo termina com você querendo mais. Y não é assim, vai evoluindo aos poucos, o ritmo é diferente. Mas nem por isso deixa de ser interessante.
Pra quem não sabe, trata-se da história de um cara que sobrevive a uma praga que mata todos os homens. O caos se instaura, obviamente. E há muita crítica social nas entrelinhas, mas muita diversão, também. Um pouco de suspense, claro... e uma busca desesperada pra tentar clonar Yorick e salvar a espécie.
Algum dia também faço um post só sobre essa série. Agora tô com uma baita preguiça. E tô pensando em continuar a ler o Fábulas...

Um comentário:

  1. Legal o Post. Walking Dead é realmente foda! Gosto muito dessa série...ainda pretendo comprar os encardenados!

    Quanto a Y, eu estava comprando a Pixel Magazine por conta dele, ja que Promethea havia saído da revista... não adiantou, como disse, a revista foi canselada, ou ao menos está em torpor...

    hasta!

    ResponderExcluir

 
BlogBlogs.Com.Br