quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

O bom e velho Sonic



Sou da época do Mega Drive. E como todo bom "mega driver", Sonic estava entre os meus jogos preferidos. Havia jogado o 1 com meu primo, o 2 eu acabei ganhando de presente e os dois últimos... 3 e Sonic & Knuckles havia jogado um pouco na casa de um amigo, mas só consegui jogar decentemente anos depois, já na era dos emuladores.

E nunca mais havia nem visto o ouriço novamente. Não sei bem porque cargas d'água, resolvi matar a saudade e acabei jogando um dos jogos da nova geração: Sonic Heroes. Caraio, mano, como as coisas mudaram! Tem personagem novo que não acaba mais! Os cenários agora são em 3d! As personagens falam!!! Heheheeh.

Fiquei curioso e resolvi pesquisar sobre os jogos que saíram depois do fim do Mega Drive e vou postar aqui um resumo da pesquisa... sei lá, vai que alguém se interessa... hehehe. Comecemos pelo começo... e pelos jogos mais importantes:

- A Tetralogia Original:

Sonic the Hedgehog (1991) (Mega Drive e Game Gear)
Sonic the Hedgehog 2 (1992) (Mega Drive e Game Gear)
Sonic 3 (1994) (Mega Drive)
Sonic & Knuckles (1994) (Mega Drive)

O primeiro Sonic foi um marco. Quem não se lembra do clássico primeiro jogo do ouriço, que se tornou mascote oficinal da Sega? Nesse primeiro, só havia seis esmeraldas, que não serviam pra nada. Cada fase tinha 3 zonas e o Sonic não fazia muita coisa além de pular e virar bolinha. Mas ainda assim, o jogo era divertidíssimo. E a seleção de fases? E a manha para virar anel? Pô, nostalgia total!

O segundo game trouxe um companheiro pro protagonista do jogo: Tails, que marcou presença em praticamente todos os outros jogos que vieram depois. Podia se jogar com ambos os personagens ou só com apenas um e eles agora tinham um ataque especial que permitia virar bolinha parado para ganhar impulso. As esmeraldas agora eram 7, e pegando todas, você virava o Super Sonic! As fases mudaram, tinha apenas 2 zonas cada, à exceção de Metrópolis, que anda tinha 3. Mas as últimas fases eram as mais legais: Tínhamos Sonic em cima do avião, a infiltração na base aérea de Robotnik e o confronto final no espaço, onde enfrentávamos o Sonic de metal (que serve até hoje de inspiração para vilões mais aperfeiçoados) e o próprio doutor num robô gigante. O final era um dos melhores, na minha opinião. Sonic explodia o Ovo da Morte e caía de volta à Terra, sendo resgatado por Tails.

O bacana é que o Sonic 3 começava exatamente de onde tinha parado o 2, com Super Sonic voando ao lado do avião. Aí aparece Knuckles, que pega as esmeraldas de volta. A princípio, Knuckles seria um inimigo, mas depois, os dois se uniram contra o bom doutor. o terceiro e quarto game da série traziam uma série de novidades. Tínhamos fase de bônus e as fases para pegar as esmeraldas eram alcançadas agora através de "argolões" escondidos nas fases. Tails agora voava e podia carregar Sonic! Tínhamos 3 tipos de escudos: elétrico, de fogo e de água, cada um com uma habilidade especial. E uma coisa que incomodava no jogo anterior é que, depois de pegar as 7 esmeraldas, você pegava 50 anéis e qualquer pulo que desce, já te transformava em Super Sonic. Aqui, não, você poderia acumular mais anéis se quisesse, e só virava o Super Sonic se pulasse duas vezes.

Mas o legal mesmo era jogar com Knuckles, que podia planar e escalar paredes. Jogando com ele a primeira fase do Sonic & Knuckles, era possível pegar todas as esmeraldas ainda antes do primeiro chefe. Lembro que os dois últimos foram lançados simultaneamente e que o cartucho original de Sonic & Knuckles poderia ser acoplado aos outros 3 jogos. Acoplando ao Sonic 1, tínhamos uma infinidade de estágios especiais. Ao Sonic 2, poderia jogar o jogo com Knuckles, assim como Sonic 3. Na verdade, Sonic 3 & Knuckles eram uma história só. Tanto que o final do 3 era bem "painha", só tinha a base do Robotnik caindo na ilha, que era o começo do Sonic & Knuckles. Tendo pego já todas as esmeraldas comuns no Sonic 3, no Sonic & Knuckles poderia se pegar Super Esmeraldas e pegando todas, virava o Hiper Sonic ou o Hiper Knuckles. E Tails também não ficou de fora dessa vez, ele também ganhava super poderes ao se coletar as esmeraldas.

E era preciso pegar todas elas para ir para a última fase, já que Robotnik roubara a esmaralda-mestre e estava utilizando-o para energizar o robô-chefe. O confronto novamente se dá no espaço, e você precisa do Super Sonic para ir atrás dele no meio de uma chuva de meteoros. Ele não pode te ferir, só que você tem que conseguir o máximo de anéis para se manter com os superpoderes, ou não sobreviverá no espaço. Esses 4 jogos foram o início das aventuras de Sonic e seus amigos.

- Sonic CD (1993) (Sega CD e PC):

Esse era para ter sido o Sonic 2, mas acabou sendo lançado em outro console para aproveitar as novas capacidades oferecidas pela tecnologia do CD. Nunca joguei esse, mas pelo que vi, me parece ser bem ruinzinho. No entanto, acho interessante mencionar como sendo parte da cronologia oficial, por se tratar da primeira aparição da Amy, fã número um do Sonic, sequestrada por Robotnik, que agora ganha o apelido mais comumente usado nos jogos mais novos, "Eggman". Metal Sonic volta a aparecer e o enredo tinha algo a ver com pedras do tempo e cada fase do jogo tinha sua versão no passado, presente e futuro. Interessante, mas não tanto que tenha despertado a minha curiosidade.

- Knuckles' Chaotix (1995) (32X):

Único jogo da série lançado para o falecido 32x. Não temos Sonic, mas Knuckles é quem enfrenta Robotnik dessa vez, aliado a novos personagens: Espio, um camaleão, Victor, um crocodilo, Mighty, um Tatu, e Charmy Bee, uma abelha. Esse é ruim que dói. Reza a lenda que o jogo reaproveitou a idéia de um tal Sonic Crackers (que até hoje ninguém sabe se é um protótipo legítimo ou só um crack mesmo) onde Sonic e Tails seguravam os anéis e ficavam presos por uma corrente eletroestática.

Aqui acontece o mesmo, você sempre joga com dois personagens presos, e é meio chatinho de se trabalhar as interações entre eles. Também acho interessante mencionar devido à aparição desses personagens, que retornam depois em Sonic Heroes.

- Sonic Adventure 1 e 2 (Dreamcast):

O primeiro foi o jogo que inaugurou a nova geração. Nunca joguei, mas é aqui que aparecem pela primeira vez os gráficos 3d, que as personagens começam a falar (tem até legendas!) e que as músicas são levadas a um nível de qualidade impressionante. Tem mais uma infinidade de novidades no primeiro Sonic Adventure, mas o post já está cumprido e eu nem queria me estender demais. Vou me ater ao enredo: o vilão do jogo agora é Chaos, um espírito maligno das 7 esmeraldas que é liberado por Eggman, na esperança de que ele o ajude a dominar o mundo. Novamente pode-se jogar com Sonic, Knuckles e Tails, além de Amy, e mais dois personagens novos: E-102 Gamma, um robô de Eggman que "passou pro lado do bem", e Big the Cat, um gato retardado que é chato até dizer chega. Todas as personagens possuem uma série de movimentos novos e, novamente, o último chefe deve ser enfrentado com o Super Sonic.

No 2, a história traz elementos do passado do Dr. Robotnik, em que seu avô trabalhava num projeto para criar a "forma de vida definitiva", projeto este que deu origem a uma espécie de Sonic Negro, "Shadow". Shadow hoje é um dos personagens mais queridos pelos fãs e fez sua estréia nesse jogo, ao lado de outra personagem, a ladra Rouge. Ela é um morcego fêmea que quer se apoderar de qualquer forma da Esmeralda Mestre.

O interessante nesse segundo jogo é que pode-se optar por dois lados: o lado Hero, permitindo que se jogue com Sonic, Knuckles ou Tails, e o lado Dark, onde você pode jogar com Shadow, Rouge e até o próprio Eggman. Terminando o jogo nos dois modos, você habilita o modo Last, indo para o final do jogo, no qual aparentemente Shadow se sacrifica para salvar o dia. Pra quem quiser mais detalhes da história: http://pt.wikipedia.org/wiki/Sonic_Adventure_2

- Sonic Heroes (2004) (Playstation 2, Xbox, Game Cube e PC) :

Esse é o que eu joguei recentemente e achei muito bacana. Você jogar com 3 personagens ao mesmo tempo, cada um com uma habilidade: velocidade, vôo ou poder. Você precisa utilizar o personagem certo em determinada parte das fases para seguir adiante. São 4 times e cada um tem seu enredo:

* Time Sonic: Sonic, Knuckles e Tails. A trama deles é basicamente a mesma de sempre: Robotnik acaba de construir uma nova arma e os desafia a detê-lo.

* Time Dark: Shadow, E-102 Omega e Rouge. Rouge entra no laboratório de Eggman à busca de algo valioso e acaba encontrando Shadow em estado de animação suspensa, sem lembranças do passado, além de um novo robô que está furioso com Eggman. Eles formam um time e vão atrás do bom doutor.

* Time Rosa: Amy, Big the Cat e Cream, uma coelha. Amy, como sempre, está atrás de Sonic. Os outros dois estão atrás dos amigos que foram capturados por Robotnik. Esse é o time mais fraco e mais retardado, da até raiva de jogar com eles.

* Time Chaotix: Espio, Victor e Charmy. Os esquecidos Chaotix estão de volta e fundaram uma agência de detetives. Eles são contratados por alguém que lhes dá missões específicas. O legal de jogar com eles é que não se precisa, necessariamente, ir até o final da fase para completar as missões delegadas.

Assim como no Sonic Adventure 2, você tem que completar o jogo com os 4 times para liberar o modo Last, onde você enfrenta o último chefe: Metal Sonic, que agora está muito mais poderoso do que jamais esteve e, advinhe? Você tem que enfrentá-lo com Super Sonic! A última fase é bacana, você tem que jogar com os 3 times antes de poder controlar Super Sonic e ir para a batlha final.

O jogo tem ainda modo "Challenge" onde você joga as fases tentando superar desafios e pode ganhar conceitos de avaliação de desempenho, que vão de E até A. Pegando todos os "A", libera-se ainda o modo de jogo Super Hard.

Todos os novos jogos têm ainda modos de 2 Player dos mais variados.

- Shadow The Hedgehog (2005) (Playstation 2, Xbox, Game Cube):

Depois do retorno de Shadow em Sonic Heroes, o ouriço negro estrelou seu próprio jogo em busca de respostas sobre si mesmo. Não joguei e nem pesquisei muito sobre esse, mas parece bacana.

- Sonic Heroes 2 (Sonic the Hedgehog Next-Gen, 2006) (Playstation 3, Xbox

Jogo lançado para comemorar o aniversário de 15 anos do lançamento do primeiro Sonic the Hedgehog. Diferente do anterior, não se controla mais os 3 personagens ao mesmo tempo e você pode jogar com Sonic, Shadow ou Silver, que é um personagem novo. Há também mais 2 personagens novos, uma princesa chamda Elise e mais um ouriço, chamado Mephiles. O enredo é bem diferente dos anteriores e parece que não fez muito sucesso entre os fãs, tanto que nem pesquisei muito sobre ele.

- Sonic Unleashed (2008) (Playstation 2, Playstation 3, Xbox 360, Nintendo Wii e Celular) :

O mais novo jogo do Sonic, onde ele é torturado por Robotnik e acaba se transformando num "Werehog", ou seja, um "Lobi-Sonic". Achei isso meio esquisito e também não fui muito atrás para saber mais.

- Outros jogos:

Sonic Spinball (1993) (Mega Drive) - pinball do Sonic
Sonic 3D Blast (1996) (Mega Drive e Saturn) - remake do Sonic 1 em 3d
Sonic Jam (1997) (Saturn) – Compilação dos Principais do Mega
Sonic Schuffle (2000) (Dreamcast) – jogo de tabuleiro tipo Mario Party
Sonic Riders (2006) (Playstation 2, Xbox, Game Cube e PC) – corrida.
Mario & Sonic at the Olympic Games (2007) ([Nintendo Wii]] e Nintendo DS)
Sonic and The Secret Rings (2007) (Nintendo Wii) – RPG
Sonic Riders: Zero Gravity (2008) (Playstation 2, Xbox, Game Cube e PC) – corrida.
Sonic Chronicles (2008) (Nintendo DS) – RPG.
Mario & Sonic at the Olympic Winter Games (2009)
Sonic and The Black Knight (2007) (Nintendo Wii) – RPG

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

A Ponte Para Lugar Nenhum


Sei lá se esse filme foi lançado no Brasil. Ano passado eu estava passando pelos Estados Unidos e pude ver lá no cinema (ahã...), heheheheheh.
Enfim, se você é fã de histórias de gângsters como eu, alguma vez na vida já deve ter pensado em como seria "legal" passar para a vida do crime. O que te segurou, possivelmente, foi simplesmente ver o que acontece com as pessoas que levam esse tipo de vida: ou são presos, ou assassinados.
Esse filme retrata bem isso: são um bando de amigos que faziam lá suas traquinagens de vez em quando para sobreviver, mas acabam tendo a idéia que mudaria suas vidas: virar cafetões. Eles pegam duas prostituas, investem pesado nelas, e passam a oferecer drogas aos clientes, também. O plano era sempre aquele: "não vamos viver disso, é só por um tempo, para levantar um capital, depois pulamos fora."
Tudo vai muito bem, a vida dos caras muda, eles enriquecem e prosperam. O negócio aumenta. Só que isso acaba chamando atenção da máfia de verdade. E eles têm de pagar. Aí que as coisas começam a degringolar.
Para piorar, uma das prostitutas acaba assassinada e um deles é preso no local do crime. Assustado, ele afirma que está pensando em falar sobre toda a operação para salvar a própria pele. É nesse ponto que se percebe que é tarde demais para sair. No momento em que você pensa em matar o próprio amigo para salvar sua pele, é o ponto em que você está tão envolvido com a situação que já não sabe mais o que é certo e errado. Você não está mais de passagem por ali, aquilo se tornou a sua vida. E a única coisa que você conhece. E a história não poderia acabar de outra forma.
Um bom filme de máfia, com sua lição de moral, mas sem ser aquele negócio forçado ou excessivamente meloso. O que resume o filme é a última frase: "Eles estavam voando alto, mas não perceberam que estavam voando numa ponte para lugar nenhum."

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Uma Experiência Surreal...



Galera, eu nem ia falar sobre esse filme. Vi o trailer e me interessei, então fui ver, mas não achei lá grandes coisas. Só que acabou de acontecer uma coisa que, sério, qualquer um ficaria de cara. Eu mesmo ainda tô impressionado com a coincidência surreal que acaba de me acontecer e tinha que ver fazer esse post.

Mas vamos por partes. O filme chama-se "Contatos do Quarto Grau" e trata de eventos que aconteceram numa cidade do Alaska, na forma de documentário. Uma psiquiatra que teve o marido assassinado continua seu trabalho investigativo sobre alguns pacientes que acordavam no meio da noite, por volta das 3 da manhã, assustados e exaltados, mas sem razão aparente.

Todos os pacientes que sofrem do mesmo distúrbio falam de uma certa coruja que ficava os observando à noite. Quando a doutora os hipnotizava para se lembrarem do que poderia ter acontecido, os pacientes acabavam dizendo que aquilo, na verdade, não era uma coruja, e ficavam extremamente assustados. Aparentemente, pra resumir a história, a coruja era a forma como a mente deles se lembrava de alienígenas que teriam entrado na casa deles à noite, os abduzido, feito alguma coisa terível com eles e os devolvido ainda na mesma noite.

Antes de mais nada, não fiquei nem um pouco impressionado pelo filme. Ainda estou um pouco com o "Atividade Paranormal" na cabeça e, pra falar a verdade, não me impressiono fácil. Sou meio cético pra um monte de coisas. E o filme também é construído na forma de documentário, para passar verossimilhança, mas lá pela metade as coisas já caem por terra quando começam a aparecer personagens conhecidos do grande público, como o doutor especialista no assunto que sempre tem as respostas para tudo, ou o policial cético e durão que não entende o que acontece e só acaba piorando mais as coisas... por aí vai. A vida não é assim, tão "hollywoodiana"e pra mim, isso acabou tirando a credibilidade da história. Desde "A Bruxa de Blair" que esse formato vêm sido usado para passar a impressão de que aquilo poderia ter acontecido com qualquer um, mas tem que saber fazer. E aqui, não acho que seja o caso.

Beleza, terminei de ver o filme e continuei fazendo minhas coisas durante o dia, fui dormir tranquilo lá pelas onze da noite, nem demorei muito pra pegar no sono. No meio da madrugada, acordo com um barulho estranho vindo de fora. A primeira impressão que eu tive foi a de uma criança gritando, não um grito de terror ou de manha, mas um grito sequencial, que se repetia de vez em quando, como que fazendo algum tipo de brincadeira.

Pensei "mas que porra... a essas horas?". E o grito ficava se repetindo, vindo do lado de fora. Levantei e abri a janela do quarto, quando o grito ficou mais claro. Não era uma criança, era algum tipo de ave. Parecia uma águia. Aí pensei "Putz, legal, acho que nunca vi uma águia antes de tão perto". Eu moro em condomínio, então levantei a cabeça para ver se não a enxergava passando por cima de um dos blocos vizinhos.

Qual não é minha surpresa quando eu vejo, no bloco de frente para o meu, empoleirada ali, em cima de uma antena de tv, uma coruja. Olhando pra mim!!! E gritando!!! Voltei pra dentro ainda naquele estado de sono, agora surpreso e ligeiramente assustado, me perguntando se eu realmente tinha acordado e se o que eu tinha acabado de ver era real ou algum tipo de alucinação provocada pelo filme que ainda estaria no meu subconsciente.

Foi quando minha irmã acordou, perguntando o que tinha acontecido. Eu apontei pra fora e disse "veja se tem uma coruja ali fora". Ela abriu a janela do quarto dela e juntos vimos aquele animal bizarro olhando pra nós e gritando. E ela "É, legal. O que tem?". E eu, ainda absorto... "Bom, você não vai acreditar, mas hoje mesmo eu vi um filme em que uma coruja não era uma coruja, mas um alien."

Porra, quais são as chances? Eu nunca tinha visto uma coruja na vida, e a filha da puta resolve aparecer justo no dia em que assisto esse filme? E ainda fica gritando na minha janela! E olhando pra mim! Vai tomar no cu!!!

E sabe o que mais? Olhei no relógio e tinha passado pouco das 3 e meia da manhã, justo horário em que aconteciam as abduções do filme! Beleza, fui na cozinha tomar alguma coisa e acordar de verdade. Aí quando eu penso em tirar uma foto com o celular pra provar que não é brincadeira, o que acontece? Pau no cu da coruja, foi embora! Não parece mesmo coisa de filme?

Tá, tá, legal, olhando isso agora é engraçado pra caralho e, como eu disse, sou um cético... mas vai me dizer que não é de deixar cabreiro até o cara mais cético dos céticos?

Bem, ainda sobre o filme, vale a pena dar uma conferida, pra quem gosta do gênero. Não espere grandes sustos nem nada, o filme tem uma certa tensão, mas nada que vá lhe tirar o sono. Particularmente, achei o "Atividade Paranormal" bem mais perturbador. Agora, se você vir o filme e uma coruja aparecer na janela do seu quarto às 3 e meia da matina, por favor, me avise, só pra que eu saiba que não estou louco! Hehehehe. Cuidado com as corujas!!!

 
BlogBlogs.Com.Br