domingo, 13 de junho de 2010

Marvel 2099


Eu gostava do Universo 2099. Bem, tinha coisas bem ruins, mas no geral, tinha idéias bem interessantes, também. E foi só pra matar a saudade que resolvi comprar esse especial que a Panini lançou recentemente. É, sou burro mesmo... continuo dando novas chances para a Marvel me decepcionar completamente.
Compro a edição achando que ia rever os velhos personagens numa trama minimamente decente. Não esperava lá grandes coisas (afinal, é a Marvel), mas só o fato de poder matar a saudade do Aranha 2099 e outros personagens legais, achei que já vali o investimento.
E adivinhem só o que encontro? Personagens completamente descaracterizados, muito aquém dos nossos velhos amigos da virada do século.
Miguel O'Hara agora está mais para um novo Peter Parker, e sua origem acaba recontada na história. Seu pai, que antes era um brutamontes ignorante (o que o deixava interessante), agora é um cientista da Alchemax, posando de herói da história. Porra!
O Motoqueiro Fantasma, com aquele fantástico visual ciberpunk cheio das piras tecnológicas, acaba voltando ao velho visual dos anos 90. O Hulk, então, nem se fala... agora temos uma MANADA de Hulks vagando pelo deserto norte-americano, indo em direção às grandes cidades. Só que isso não é problema nenhum pros X-Men, que matam os Hulks com uma facilidade enorme! Ahã! Por que, então, o Gen. Ross não mandou logo Wolverine atrás do Hulk pra arrancar a cabeça dele e acabar com esse pesadelo de anos, já que era tão fácil?
Decepção é pouco para descrever. Ao invés do Aranha 2099 confiante e de poderes diferentes que tínhamos anteriormente, temos um garoto imaturo que acaba se tornando um discípulo do Aranha antigo. Mas que merda! Se era pra fazer mal-feito, era melhor nem terem feito essa história!
Fora os erros de continuidade... aparentemente, a trama se passa enquanto o Aranha faz parte dos Vingadores (já que temos Luke Cage, Mulher-Aranha e Wolverine na equipe), época em que ele já tem a teia orgânica. Só que em uma cena ele aparece sem o FLUIDO de teia dos lançadores! Para não falar da arte, que também está uma porcaria, e a edição está cheia de erros de digitação.
Pô, como eu disse antes, não esperava lá grandes coisas, mas ainda assim, a Marvel continua deixando a desejar. O que acontece? Os caras vão fazer uma história sobre o universo 2099 e têm PREGUIÇA de pesquisar sobre o que vão escrever? O editor de lá está dormindo, que não vê os erros de continuidade?
E isso não é um caso isolado... nos últimos anos, basta pegar qualquer edição da Marvel que tais erros de cronologia pipocam aos montes. Só prova que a Marvel não tem mais jeito mesmo.
Ok, alguns podem argumentar que, se for pra ficar se preocupando com cronologia, que só os leitores mais antigos se lembram, vai acabar sacrificando boas histórias.
Discordo totalmente. Primeiro, foi a própria Marvel que escolheu manter a continuidade das histórias. Então por que, meu Deus, jogar a cronologia no lixo?
Segundo, é perfeitamente possível fazer boas histórias, respeitando a cronologia. Por Odin, qualquer escritorzinho meia-tigela de fan fiction é capaz disso.
E terceiro, se querem jogar a cronologia fora, então por que não destroem de vez esse universo desgastado e começam tudo de novo? Novos personagens, ou novas versões dos mesmos. Um exemplo muito bom que mostra que isso pode ser feito é o recente Spider-Man: Noir, que mostra a versão do Aranha nos anos 30. Pô, muito legal ver as versões diferentes de personagens que conhecemos, numa trama simples, mas bem elaborada.
Outro exemplo é o Peter Parker: NYPD, da Quadrim (site de fan fictions). Nele, Márcio Sampayo mostra que não só é possível descartar a cronologia atual e começar de novo com versões diferentes dos heróis que conhecemos, como também isso pode ser feito com qualidade ímpar.
Então, por quê? Porque ficar reinventando a roda, ano após ano? E o pior: fanboys idiotas continuando a dar dinheiro pra esses filhos da puta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
BlogBlogs.Com.Br